O calçado de segurança é uma peça fundamental no equipamento de proteção individual em trabalhos físicos.

Existem muitos modelos de calçado de proteção individual disponíveis no mercado com diferentes níveis de proteção, desde as famosas biqueiras em aço, palmilhas de segurança antiprefuração (também de aço), resistência elétrica, resistência térmica e ao fogo, resistência a óleos e a produtos químicos, e muitas outras. As características a incorporar no calçado de segurança individual dependem em última análise dos postos de trabalho e dos riscos que estes acatam ao trabalhador.

Para escolher o modelo de calçado de proteção que melhor se adequa às necessidades individuais devemos primeiro conduzir uma análise dos riscos a que o trabalhador no posto a que o calçado se destina está sujeito e devemos procurar o modelo cujas características de proteção reduza esse risco.

A nível europeu, o calçado de segurança encontra-se normalizado segundo as normas comunitárias EN ISO 20345 /EN ISO 20346 e EN ISO 20347. No Brasil a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) publicou as normas NBR ISO 20345, NBR ISO 20346 e NBR ISO 20347 baseadas integralmente nos estandardes ISO.

Estas normas, definem as características que o calçado de proteção individual deve ter em função das características de proteção reclamadas.

Bota Bombeiro

O calçado de segurança, como todos os equipamentos de proteção, é submetido pelo fabricante a certificação do produto a laboratórios de entidades certificadas para esta função, a conformidade permitirá a marcação CE do produto (Europa). Se o produto não possuir marcação CE, não será considerado calçado de segurança, pois não foi sujeito ao processo de certificação.

A Maioria do calçado está identificado com um código que indica o nível de proteção oferecido, embora existam outros standards internacionais.

Exemplo Proteção de dedos em aço

EN ISO 20345   Calçado de segurança:

O calçado de segurança que esteja de acordo com a norma europeia EN ISO 20345 está equipado com uma biqueira que protege contra os choques equivalentes a 200 joules (massa de 20 Kg) caindo de 1 metro.

A sola poderá ser constituída por diferentes tipos de materiais e deve satisfazer um conjunto de exigências básicas no que diz respeito a:

Perfuração total - A força deve ser superior a 1100 N

Resistência sola-cano - deve ser superior a 4,0 N/mm

Resistência elétrica:
Para calçado antiestático deve situar-se entre 100K e 1000K
Para calçado condutor a resistência elétrica de ser inferior a 100K


Resistência térmica – compreende isolamento ao calor e ao frio


Absorção de energia – capacidade de absorção de energia na zona de assentamento do calçado


Características antiderrapantes – capacidade de aderir ao solo de modo a que o trabalhador não corra riscos de queda por escorregamento.

Tipos:

I - Fabricado em pele ou outro material, excluindo calçado em borracha ou polímero (SB, S1, S2, S3);

II - Fabricado em borracha ou polímero (SB, S4, S5).

Marcações:

SB - Requisito mínimo da norma (SB=Safety Basic), biqueira de aço ou material similar;

S1 - Igual a SB + a propriedade antiestática e a capacidade de absorção de energia no calcanhar;

S2 - Igual a S1 + impermeabilidade;

S3 - Igual a S2 + palmilha de aço ou equivalente e sola com salto;

S4 - Igual a S1+ a propriedade antiestática e a capacidade de absorção de energia no calcanhar;

S5 - Igual a S3 + palmilha de aço ou equivalente e sola com salto

Estas marcações podem ser acompanhadas das letras:

A - Calçado antiestático;

E - Absorção de energia no salto;

WRU - Impermeável;

P - Palmilha de aço ou equivalente;

CI - Isolamento contra o frio;

HI - Isolamento contra o calor;

C - Calçado condutor;

HRO - Resistência ao calor por contacto

 

Notas:

A sola antiderrapante é obrigatória para a marcação S3.

Resumo de todas as normas CE

As normas segurança, S, P e O

  • S: norma EN ISO 20345 proteção de dedos (testeira) com resistência 200 joules ( impacto de massa de 20 Kg a cair de 1 metro)
  • P: norma EN ISO 20346 testeira com resistência 100 joules
  • O: norma EN ISO 20347 sapatos de trabalho sem testeira em aço

Quadro de síntese :

 

EN ISO 20345 EN ISO 20346 EN IS0 20347 Piso Anti Derrapante Resistência à Humidade

Palmilha

Antiperfuração

Resistência a

Ácidos

SB (Proteção base) PB OB
S1 P1 O1
Sim
S1P
Sim
Sim
S2 P2 O2
Sim
Sim
S3 P3 O3
Sim
Sim
Sim
S4 P4 O4
Sim
Sim
Sim
S5 P5 O5
Sim
Sim
Sim
Sim

Acomodação:

A acomodação do calçado de segurança é de extrema importância; este tipo de calçado quando mal acomodado poderá não proteger da forma como foi desenhado para funcionar.

1) É importante que o calçado a utilizar ofereça a proteção adequada á atividade a ser efetuada.

2) Fator a ter em conta é o ajuste dos cordões e/ou tiras e velcros; é crucial que estes fiquem bem amarrados e recolhidos.

3) A adequação sapato-pé deve ser ótima, estes devem casar de forma confortável para que o utilizador possa operar com os sapatos durante o período de trabalho sem transtornos, deve ser feita uma rigorosa confirmação da acomodação.

4) Tal como o restante calçado, o calçado de segurança deve ser experimentado com as meias que se usam para executar a tarefa a que se destinam, evite aceitar calçado apenas baseado no tamanho que utiliza normalmente, experimente para se certificar.

5) Em caso de acidente, como por exemplo queda de objeto na testeira, queda de elementos químicos ou exposição a calor extremo os sapatos devem ser substituídos, ainda que aparentem estar em condições; os sapatos podem ter sofrido danos estruturais não visíveis, comprometendo desta forma o seu correto funcionamento.

 

Share/Bookmark